Infinita é a Minha Vontade

Apresentação:

O espetáculo Solo, “Infinita é a minha vontade”, faz parte da “trilogia da dúvida”, composta também pelos espetáculos: “Tudo evolui exceto o coração dos homens” e “TESLA, toda a energia em nossa volta”.
Essa trilogia propões diálogos estéticos entre o Mimo Corpóreo de Etienne Decroux com elementos de encenadores e coreógrafos distintos, e neste espetáculo promovemos o encontro entre Decroux com o coreografo Bob Fosse.

“Tenho mais medo da mediocridade que da morte.”
― Bob Fosse

Trilogia da Dúvida:
Darwin = Decroux + Tadeus Kantor
Giordano Bruno = Decroux + Bob Fosse
Tesla = Decroux + Stanislavski

Sobre o Espetáculo:

Os movimentos que compõe a coreografia do espetáculo formam criados através do estudo de algumas coreografias do Bob Fosse, dialogando com o tema: a dúvida de Giordano Bruno enquanto estava sendo torturado pela inquisição, negar o que acreditava e continuar vivo ou manter seus ideais e enfrentar a morte.

E porque Bob Fosse?
O tema da composição coreográfica gira em torno da morte, o sofrimento físico pela tortura, e uma vontade infalível de se manter íntegro diante da dor física, por isso para dar um contraponto buscamos usar como inspiração movimentos inspirados no estilo das coreografias de Fosse como ponto de equilíbrio para trazer um elemento do sonho como fuga da realidade.
A coreografia está dividida em dois momentos, parte se relacionando com a realidade e parte com o inconsciente de Giordano Bruno lutando contra a dor física da tortura, alternando entre o real e o imaginário, construindo um grande “cabaré da inquisição”, Bruno em seu inferno pessoal enfrenta seus temores, dúvidas e luta para não abandonar o que mais acredita pela maceração de seu corpo.
A construção do espetáculo:

Depois do processo de estudos com as coreografias de Fosse aplicadas dentro desse tema e dialogando com alguns elementos do Mimo Corpóreo, como articulação corporal e estudos das dinâmicas rítmicas e os estilos de representação, foi aplicado a construção de uma dramaturgia corporal para a formatação do espetáculo dentro de um roteiro simples construído pelos seguintes momentos: descoberta, confronto, dúvida e resignação.
Cada momento tem 15 minutos de duração e estão interligados pela trilha sonora que é algo constante no espetáculo.

Durante o processo de residência no LUGAR da Cia Corpos Nômades, foi treinado as coreografias de Fosse, e depois aplicadas a temas relativos a vida e a o tema tortura na inquisição, levando em consideração alguns princípios de criação corporal propostos pelo Mimo Corpóreo, assim foi recriado elementos coreográficos, a partir dos movimentos de Fosse como inspiração formatando uma nova coreografia com dois momentos, o real e o imaginário de Giordano Bruno.

Release:

Infinita é a minha vontade
Livremente inspirada em momentos da vida do filósofo italiano morto pela inquisição em 1600 Giordano Bruno, esta obra dialoga com o desejo e pequenas obsessões, as que nos mantêm vivos e nos dão forças para continuar adiante e as que nos cegam em frente ao mundo de possibilidades em nossa frente.
Quando o final da vida se torna uma realidade próxima, o desejo de continuar se torna uma luta utópica louca e sem mais critérios, resta apenas a pura vontade de ser eterno, de permanecer, nem que seja apenas por uma parte de nós, nossas ideias ou palavras que deixamos em um ritual de despedida.
Navegando entre o mimo Corpóreo de Etienne Decroux e o estilo coreográfico excêntrico de Bob Fosse, busquei nesta construção coreográfica trabalhar os membros e o tronco em constante contradição onde a vontade de permanecer é confrontada pelo equilíbrio que está sempre em risco e todo o movimento de uma articulação gera um conflito com as outras partes que parecem estar constantemente buscando a imobilidade impossível dentro de uma base que não se sustenta mais.

Deixe uma resposta