Pesquisa

Baixe a minha tese de mestrado diretamente no site da USP selecionando AQUI!

RESUMO

SEIXAS, V. P. Repetir e Sentir: Mimo Corpóreo, treinamento e subjetividade. 2016. 114 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

Esta pesquisa teórico-prática parte da análise da técnica do Mimo Corpóreo buscando procedimentos para auxiliar a sua aplicação na criação cênica e na formação de atores e mimos. Este estudo é influenciado pelo conceito de paralelismo1 proposto pelo filósofo Holandês Baruch de Espinosa onde a mente e corpo não apresentam uma relação causal, e sim uma relação de reciprocidade, esse princípio também serve como poética para a execução da parte prática da pesquisa.

Espinosa indo contra a tradição dualista propõe em sua doutrina filosófica uma união substancial entre corpo e mente, os dois são a mesma substância se manifestando em modos2 distintos agindo juntos pelo paralelismo. Levamos essa indicação para o processo de treinamento: mente e corpo trabalhando juntos sem relação hierárquica.

Levantamos reflexões sobre a prática do Mimo Corpóreo na formação de atores e mimos e para a criação cênica, estudando a questão da repetição dos exercícios dentro do treinamento corporal. Propomos também uma organização de procedimentos da técnica e uma análise de sua parte conceitual. Realizando um exercício cênico inspirado nos elementos da doutrina filosófica de Espinosa, que será apresentado junto com a conclusão.

Desta forma, procuramos fomentar a reflexão sobre o legado do ensino do Mimo Corpóreo e as suas possíveis aplicações também a outros processos criativos e de formação dentro das artes cênicas.

1. Referente a relação extensão (corpo) e pensamento (mente), pela qual não há relação de causalidade ou de hierarquia entre os dois. A relação entre um e outro não é de causalidade, mas de expressão e simples correspondência, pois o que se passa em um deles exprime-se no outro: a mente e o corpo expressam a mesma coisa, cada um como um modo próprio e simultaneamente.

2. Modo ou afecção da substância, que é na substância e por ela se concebe (SPINOZA, 2009.P13). Onde uma consequência que já podemos adiantar: toda coisa singular é modo, e por outro lado, nem todo modo é coisa “singular”, pois Espinosa conceberá modos infinitos imediatos e mediatos;

Artigo:
Anais do Simpósio Reflexões Cênicas Contemporâneas

Baixe o arquivo pdf original AQUI!


Partindo da definição de corpo e mente proposta pelo filósofo holandês Espinosa, onde os dois elementos são um único material, agindo em conjunto sem relação hierárquica, estudamos na teoria e prática alguns exercícios retirados dentro do ensino do Mimo Corpóreo como forma de explorar a questão da repetição e as suas possibilidades sensíveis dentro de praticas do treinamento expressivo, buscando o desenvolvimento de novas habilidades corporais e novas possibilidades de criação cênica.